Total de visualizações de página

terça-feira, 21 de março de 2017

O CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1960 - Continuação



PARALISAÇÃO DO CAMPEONATO E O WO

O campeonato brasiliense de 1960 sofreu uma paralisação (férias) e só retornou no dia 8 de janeiro de 1961, quando foi realizada a quinta rodada. O Rabello enfrentaria, no campo do Planalto, a equipe do Pederneiras. 
Para surpresa geral, a equipe do Pederneiras não compareceu e o árbitro Lourandyr de Castro Gomes aplicou o WO, dando a vitória ao Rabello.
Essa ausência favoreceu e muito o Rabello, que além de conquistar dois pontos preciosos, foi ainda beneficiado com o empate entre Guará e Grêmio e pela queda do Planalto, até então, o único líder do campeonato.
Deixando o campo sem jogar, mas com a vitória garantida, o Rabello passou a liderar o campeonato, ao lado do Defelê, que permaneceu com dois pontos perdidos.

RABELLO 2 x 2 GRÊMIO

Lance de Rabello x Grêmio
O Rabello folgou na rodada do campeonato brasiliense de 15 de janeiro de 1961 e, uma semana depois (22 de janeiro de 1961), em seu campo, deixou escapar a primeira chance de conquistar o título, ao empatar com o Grêmio, em 2 x 2.
Jogando em casa e com apoio de sua torcida, o Rabello iniciou a partida com maior volume de jogo. Logo aos três minutos desceu com perigo para o arco de Otaziano, dando a impressão que abriria a contagem. No entanto, dois minutos após, num contra-ataque, o Grêmio conseguiu marcar o único gol do primeiro tempo, numa jogada bem concatenada, que permitiu ao meia-direita Baiano, de fora da área, burlar a cidadela de Gaguinho.
Ainda no primeiro tempo, após uma pequena confusão na área do Grêmio, o árbitro Jorge Cardoso marcou uma penalidade máxima contra o Grêmio, numa legítima bola na mão e não mão na bola. Eram decorridos 24 minutos. Nilo foi chamado para cobrar, fazendo-o defeituosamente.
Aos 43 minutos, quando a pressão do Grêmio era mais acentuada, o árbitro não deu um pênalti claro a favor do Grêmio, após o médio Cazuza dominar a bola na pequena área com a mão direita.
Aos sete minutos do segundo tempo, Nilo conseguiu o empate, depois de uma confusão na grande área de Otaziano. Porém, oito minutos depois, numa bola bem trabalhada pelo setor esquerdo, Reinaldo desempatava outra vez para o Grêmio. Somente aos trinta minutos, depois de outro “bafafá” na defensiva gremista, o ponteiro-esquerdo Joãozinho apanhou o rebote de uma bola defendida pelo goleiro, decretando o empate e que seria mantido até o final.
A renda foi de CR$ 17.250,00 e o árbitro Jorge Cardoso.
Assim formaram as equipes:
RABELLO – Gaguinho, Paulo e Leocádio; Cazuza, Nozinho e Alberto; Sudaco, Calado, Baianinho, Nilo e Joãozinho.
GRÊMIO – Otaziano, Jubá, Pedersoli e Joãozinho; Édson e Alemão; Djalma, Baiano, Wellington, Itiberê e Reinaldo.
Na preliminar, entre os segundos quadros, o Rabello venceu por 3 x 2.

A ÚLTIMA RODADA

A última e decisiva rodada do campeonato brasiliense de 1960 foi disputada no dia 29 de janeiro de 1961. 
Mesmo tendo perdido um ponto na rodada anterior, uma combinação de resultados ainda poderia dar o título de campeão ao Rabello. Bastava que Guará e Defelê empatassem e o Rabello vencesse seu jogo contra o Planalto, no campo deste (Estádio Duílio Costa), para provocar um jogo-extra contra o Defelê.
Outra possibilidade era o Guará derrotar o Defelê e o Rabello perder para o Planalto. Neste caso, o título de campeão passaria para as mãos do Guará.
No campo do Guará, em jogo com dois pênaltis marcados (um para cada lado) no segundo tempo e três expulsões, Defelê e Guará não saíram do empate em 1 x 1.
Assim, o Rabello seria obrigado a vencer o Planalto para continuar sonhando com o título, mas isso não aconteceu. E, pior, ainda foi goleado por 4 x 1. Essa combinação de resultados, além de tirar as chances do Rabello de conquistar o título, ainda colocou o time alvinegro com apenas a quarta colocação no final.
O 1º tempo do jogo mostrou ao público presente ligeiro predomínio do Planalto sobre o Rabello. Aos 9 e 12 minutos, Gesil marcou para o Planalto. O Rabello diminuiu aos 14 minutos, com Joãozinho, cobrando pênalti. O placar de 2 x 1 permaneceu até o final dessa etapa.
No período complementar, quando se esperava uma reação do Rabello, o que se viu foi um Planalto ainda mais senhor da situação marcando outros dois tentos: Édson Galba, a um minuto, de pênalti, e Alemão, aos dez. Esses dois gols garantiram a vitória do Planalto pelo marcador de 4 x 1.
A equipe do Rabello esteve assim representada: Gaguinho (Veludo), Paulo, Leocádio e Alberto; Cazuza e Nozinho; Sudaco, Calado, Baianinho, Nilo e Joãozinho. 
O Planalto formou com o seguinte quadro: Raspinha, Hudson, Édson Galba e Nilo; Moreira (Ferrete) e Cardosinho; Cardoso, Leônidas, Gesil, Pedrinho e Alemão.
A renda foi de CR$ 20.750,00. Trabalhou como árbitro Jorge Cardoso.

sábado, 18 de março de 2017

O CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1960



Gaguinho em ação
O Campeonato Brasiliense de 1960 foi disputado em um único turno, por 8 clubes: Alvorada, Defelê, Grêmio, Guará, Nacional, Pederneiras, Planalto e Rabello. O troféu do campeão levou o nome de Taça "Juscelino Kubitschek".

O PRIMEIRO RABELLO x DEFELÊ OFICIAL

A estréia do Rabello no campeonato brasiliense de futebol aconteceu em seu campo, no dia 27 de novembro de 1960, com vitória sobre o Defelê, por 1 x 0, gol de Joãozinho, aos 42 minutos do segundo tempo. Moacyr Siqueira foi o árbitro e a renda alcançou CR$ 18.000,00.
Este foi o primeiro jogo oficial entre Rabello e Defelê que, com o passar dos anos, se tornaria o maior clássico do futebol brasiliense da década de 60. O Rabello jogou com Gaguinho, Paulo e Leocádio; Cazuza, Nozinho e Alberto; Joãozinho II (Motorzinho), Calado, Baianinho, Nilo e Joãozinho I. O Defelê atuou com Matil, Euclides e Gavião; Zé Paulo, Pedrinho e Loureiro; Ramiro, Ely, Vitinho, Fino e Raimundinho.

RABELLO 6 x 0 ALVORADA

A segunda participação do Rabello no campeonato brasiliense aconteceu no dia 4 de dezembro de 1960, ainda em seu campo, sob a arbitragem de Joventino Antônio de Oliveira. 
No 1º tempo, Baianinho e Nilo marcaram, assinalando o placar de 2 x 0 a favor do Rabello. No 2º, o Rabello marcou mais quatro gols, fechando o placar em 6 x 0 a seu favor. Marcaram esses gols Joãozinho, duas vezes, Baianinho e Nilo, novamente.
Foram expulsos de campo Nilo, do Rabello, e Tatão e Lindcelso, do Alvorada.
Defenderam o Rabello Gaguinho, Remo, Leocádio e Nozinho; Cazuza e Alberto; Zé Paulo, Calado, Baianinho, Nilo e Joãozinho. Pelo Alvorada atuaram Antônio Silva, Tatão, Jurandir e Zózimo; Wilmond e Amador; Hélio, Lindcelso, Erivan, Irques e Zeca.

A PRIMEIRA DERROTA DO RABELLO

Na terceira rodada do campeonato brasiliense, em 11 de dezembro de 1960, o Rabello conheceu sua primeira derrota, diante do Guará, no campo deste (Estádio Israel Pinheiro).
O jogo foi equilibrado no 1º tempo, permanecendo o placar em 0 x 0.
No segundo tempo, o Guará foi melhor e, aos 27 minutos, Carlinhos marcou o gol que definiu o marcador em 1 x 0 a favor do Guará. O árbitro do jogo foi Alex Alves Maia.
Jogou o Rabello com Gaguinho, Paulo, Leocádio e Nozinho; Cazuza e Alberto; Zé Paulo, Calado, Baianinho, Nilo e Joãozinho. O Guará formou com Édson, Sabará, Marianelli e Enes; Remis e Bimba; Carlinhos, Severo, Fernandinho, Walter Moreira e Luiz.

RABELLO 5 x 0 NACIONAL

No dia 18 de dezembro de 1960, pela quarta rodada do campeonato brasiliense, o Rabello recuperou-se ao golear o Nacional por 5 x 0. O jogo foi no campo do Rabello e Jorge Cardoso atuou como árbitro. O Rabello foi sempre superior no jogo. No primeiro tempo, Baianinho e Nilo marcaram. No segundo tempo, dois gols de Joãozinho e um de Calado definiram o marcador. Zezito, do Nacional, foi expulso.
Defenderam o Rabello Gaguinho, Paulo, Leocádio (Caetano) e Nozinho; Cazuza e Alberto; Sudaco, Calado, Baianinho, Nilo e Joãozinho. 
Pelo Nacional atuaram Roberto, Aldovandro, Valmir e Chesman; Louzinho e Ernâni; Joãozinho, Hermínio, Zezito, Pedrão e Tarciso.

A SELEÇÃO DA RODADA

Após o jogo contra o Nacional, a Associação Brasiliense de Cronistas Desportivos – ABCD escolheu a “Seleção da Rodada”, que teve três jogadores do Rabello, ficando assim formada: 
Gaguinho (Rabello), Sabará (Guará), Euclides (Defelê) e Alberto (Rabello); Pedrinho (Defelê) e Bimba (Guará); Ramiro (Defelê), Vitinho (Defelê), Baianinho (Rabello), Leônidas (Planalto) e Carlinhos (Guará). Pedrinho, do Defelê, foi o craque da rodada.

PARALISAÇÃO DO CAMPEONATO

O campeonato brasiliense sofreu uma paralisação (férias) e só retornaria no dia 8 de janeiro de 1961, quando seria realizada a quinta rodada.

terça-feira, 14 de março de 2017

AMISTOSOS PREPARATÓRIOS - 1960


Antes do início do campeonato de 1960 e visando aprimorar o entrosamento do time, o Rabello disputou vários amistosos.

RABELLO 4 x 2 GUARÁ

No dia 16 de outubro de 1960, em seu campo, o Rabello venceu o Guará por 4 x 2. Baianinho (2), Matias e Nilo marcaram para o Rabello e Paulo Reis e Carlinhos fizeram os gols do Guará.
O Guará saiu na frente, com um gol de Paulo Reis. O Rabello não demorou para virar e ampliar o marcador. No final do jogo, vitória de 4 x 2.
Formou o Rabello com Gaguinho, Paulo, Leocádio e Alberto; Nozinho (Alaor) e Délio; Matias, Nilo, Baianinho, Calado e Joãozinho. O Guará perdeu com Redola, Camilo (Enes), Zé Geraldo e Clemente; Sabará (Valter) e Bimba; Paulo Reis (Marianelli), Eluff, Carlinhos, Beto e Valter Moreira.
O árbitro foi Alex Alves Maia e a renda de Cr$ 24.150,00.

RABELLO 1 x 1 PLANALTO

Duas semanas depois, em 30 de outubro de 1960, o Rabello visitou o campo do Planalto, conseguindo o empate de 1 x 1 diante do Planalto.

RABELLO 2 x 2 GRÊMIO

No dia 5 de novembro de 1960, o Rabello alcançou outro empate, desta vez diante do Grêmio, em 2 x 2. 
O Grêmio marcou primeiro, o Rabello virou para 2 x 1 e, no final do jogo, o Grêmio voltou a marcar, decretando o empate.
O Grêmio ainda desperdiçou um pênalti.
Vinícius Galba Capone foi o árbitro do jogo.
Neste jogo aconteceu a inauguração dos refletores do campo do Grêmio, que passou assim a ser o primeiro clube de Brasília a contar com este tipo de recurso.

RABELLO 3 x 2 GRÊMIO

Às 16 horas do dia 20 de novembro de 1960, o Grêmio retribuiu a visita, indo enfrentar o Rabello em seu campo. Vitória do Rabello, por 3 x 2.

domingo, 12 de março de 2017

O TORNEIO CLASSIFICATÓRIO


Em virtude do elevado número de clubes inscritos (16), a Federação Desportiva de Brasília resolveu fazer um torneio para determinar as oito equipes que disputariam o campeonato da Primeira Divisão de 1960 e as oito que comporiam a Segunda.
Os 16 clubes foram divididos em 4 grupos. Os clubes com campos em condições de jogo foram “cabeças-de-chave”. Os grupos ficaram assim compostos:
A (com jogos no campo do Guará, Estádio “Israel Pinheiro”) - Edilson Mota, Guará, Industrial e Sobradinho;
B (no campo do Grêmio, Estádio “Vasco Viana de Andrade”) - Brasil Central, Consispa, Expansão e Grêmio;
C (no campo do Planalto, Estádio “Duílio Costa”) - Defelê, Guanabara, Pederneiras e Planalto;
D (no campo do Rabello, Estádio “Paulo Linhares”) - Alvorada, Nacional, Rabello e Real.
Além desses havia o campo do Acampamento da Construtora Nacional (Estádio "Aristóteles Góes") e o campo do Acampamento do Departamento de Força e Luz, Estádio "Ciro Machado do Espírito Santo", que seria inaugurado em dezembro de 1960.
O torneio foi realizado em turno único. Seriam consideradas automaticamente pertencentes à Primeira Divisão as equipes que se classificassem em 1º e 2º lugares das séries. Os que se classificassem em terceiros e quartos seriam considerados da Segunda Divisão.

0 x 0 NA ESTREIA

A estreia do Rabello aconteceu às 16 horas do dia 18 de setembro de 1960, na primeira rodada do torneio classificatório. Sob a arbitragem de Alex Alves Maia, ficou no empate de 0 x 0 com o Nacional. 
O Rabello formou com Gaguinho, Leocádio e Paulo; Délio, Capixaba e Alberto; Antônio, Matias, Baianinho, Nilo e Calado. Defenderam o Nacional Roberto, Valmir e Coelho; Senado, Lourinho e Chessman; Tarciso (Sete), Zezito, Dilvo, Belini e Joãozinho.
Na rodada inicial efetuada no campo do Rabello foi apurada a importância de Cr$ 14.500,00 (a melhor da rodada), pagando ingressos 290 pessoas. Deduzidas as despesas de arbitragem e taxa da Federação, coube a cada clube (quatro: jogaram ainda Real x Alvorada) a quantia de Cr$ 2.593,50.
A boa arrecadação conseguida foi devido às providências que a diretoria do Rabello tomou, fazendo cercar todo o campo e introduzindo alguns melhoramentos.

RABELLO 6 x 1 REAL

Às 14 horas do dia 25 de setembro de 1960, entraram no campo do Rabello o time da casa e o visitante Real. Caracterizou-se a partida pelo alto padrão disciplinar existente em campo. Embora perdedor, apresentou o Real séria resistência às pretensões do Rabello, tanto assim que o primeiro tempo terminou sem abertura do marcador.
No final, goleada do Rabello por 6 x 1, com gols de Baianinho (2), Nilo (2), Matias e Zequinha para o Rabello. João marcou o gol de honra do Real. Moacyr Siqueira foi o árbitro da partida, auxiliado por Vinícius Galba Siqueira e Nilzo de Sá. A renda foi de Cr$ 11.900,00.
Foi a seguinte a constituição da equipe do Rabello: Gaguinho, Penido e Leocádio; Alberto, Délio e Capixaba; Baianinho, Calado, Zequinha, Nilo e Matias. Técnico: Hélio Pimentel. Atuaram pelo Real José, Martiniano e José II; Hugo I, Wilson e Joaquim; Hildemar, Ezequiel, Araújo, João e Hugo II.
Comentário do DC-Brasília: “Aponta o Rabello como um dos mais sérios candidatos ao título máximo do futebol brasiliense, muito bem organizado em todos os setores”.

GARANTINDO PRESENÇA NA PRIMEIRA DIVISÃO

O Rabello encerrou sua participação no Torneio de Classificação no dia 9 de outubro de 1960, com outra goleada, desta vez sobre o Alvorada, por 5 x 2. Hiraclis Nicolaidis foi o árbitro da partida.
Eis como ficou o Grupo D do Torneio Classificatório:

CF
CLUBES
PG
J
V
E
D
GF
GC
SG
RABELLO
5
3
2
1
0
11
3
8
NACIONAL
3
3
1
1
1
2
2
0
REAL
3
3
1
1
1
4
8
-4
ALVORADA
1
3
0
1
2
3
7
-4


Assim, o Rabello garantiu sua presença na Primeira Divisão de 1960.


quarta-feira, 8 de março de 2017

O PRIMEIRO TÍTULO DO RABELLO: Torneio Início de 1960




A primeira competição oficial da Federação Desportiva de Brasília no ano de 1960 foi o Torneio Início (que levou o nome de Taça "Governador Roberto Silveira"), realizado no dia 4 de setembro de 1960, no Estádio Israel Pinheiro, do Guará.
A imprensa escrita e falada foi incansável no apoio à primeira competição oficial da FDB.
Solicitaram inscrição 16 clubes: Associação Atlética Guanabara, Associação Esportiva Edilson Mota (ex-Ecra Futebol Clube), Brasil Central Atlético Clube, Central Clube Nacional, Clube de Futebol e Regatas Alvorada, Clube de Regatas Guará, Consispa Esporte Clube, Defelê Futebol Clube, Esporte Clube Industrial, Esporte Clube Planalto, Esporte Clube Real de Brasília, Expansão Esporte Clube, Grêmio Esportivo Brasiliense, Pederneiras Esporte Clube, Rabello Futebol Clube e Sobradinho Esporte Clube.
Conforme previa o regulamento, os jogos foram realizados em dois tempos de dez minutos cada, sem intervalo. No caso de empate, haveria a decisão por pênaltis, três para cada equipe, na primeira série. O jogo final foi em dois tempos de 30 minutos cada, com intervalo de dez minutos. Apresentaram os seguintes resultados: 
1º jogo - Defelê 0 x 0 Guanabara (na decisão por pênaltis, vitória do Guanabara por 3 x 2);
2º - Grêmio 0 x 0 Expansão (na decisão por pênaltis, vitória do Expansão);
3º - Planalto 1 x 0 Industrial, gol de Édson Galba;
4º - Sobradinho 1 x 0 Real, gol de Pateta, contra;
5º - Edilson Mota 1 x 0 Brasil Central, gol de Alemão;
6º - Pederneiras 2 x 0 Nacional, gols de Gote e Marcionilo;
No 7º jogo, enfrentaram-se Rabello e Alvorada. O Rabello venceu por 1 x 0, gol de Nilo. Os quadros formaram assim: RABELLO – Gaguinho, Leocádio e Paulo; Capixaba, Délio e Alberto; Antônio, Léo, Baianinho, Nilo e Motorzinho. ALVORADA – Carioca, Carlos e Tatão; Valnor, Dequinha e Mossoró; Zezinho, Nicolau, Dandão, Zeca e Piauí.
8º - Consispa 0 x 0 Guará (na decisão por pênaltis, vitória do Guará, por 3 x 2);
9º - Guanabara 1 x 0 Expansão, gol de Valfrido;
10º - Planalto 1 x 0 Sobradinho (gol de Edson Galba, de pênalti);
11º - Edilson Mota 1 x 0 Pederneiras, gol de Cardoso;
12º - O Rabello voltou a campo para enfrentar o poderoso Guará. No tempo regulamentar, o placar não foi alterado: 0 x 0. Com isso, a decisão foi através da cobrança de pênaltis, ficando a vitória com o Rabello.
As equipes foram essas: RABELLO – Gaguinho, Leocádio e Paulo; Capixaba, Délio e Alberto; Antônio, Léo, Baianinho, Nilo e Motorzinho. GUARÁ – Redola, Aderbal, Tostão e Clemente; Boneco e Eluff; Fernando, Carlos, Severo e Cleli. Obs.: o Guará atuou somente com 10 jogadores.
13º - Planalto 1 x 0 Guanabara, gol de Carlos;
Torcedor, Leocádio, Gaguinho, Délio, ???, Alberto, Alaor e Antônio Gomes (técnico)
Matias, Baianinho, Nilo, Calado e Paulinho 
No 14º jogo (semifinal), Rabello e Edilson Mota empataram em 0 x 0. Na decisão por pênaltis, vitória do Rabello, por 3 x 2. Foi expulso de campo o centro-médio do Rabello, Délio.
As equipes atuaram com essas formações: RABELLO – Gaguinho, Leocádio e Paulo; Capixaba, Délio e Alberto; Antônio, Léo, Baianinho, Nilo e Motorzinho. EDILSON MOTA – Cabeludo, Roberto e Osvaldo; Cazuza, Divino e Maia; Dario, Cardoso, Gesil, Negrão e Alemão.
A decisão do torneio, no 15º jogo do dia, entre Rabello e Planalto, agradou aos aficcionados, sendo decidida na prorrogação de dez minutos, quando Nilo, cobrando penalidade máxima aos nove minutos, deu a vitória de 1 x 0 e o título de campeão ao Rabello. Conquistou, assim, o Rabello o primeiro troféu de campeão de sua história.
O Rabello jogou com Gaguinho, Leocádio e Paulo; Capixaba, Antônio e Alberto; Léo, Baianinho, Zé Carlos, Nilo e Motorzinho. Já o Planalto atuou com Issinha, Ventura, Ferreira e Rhodes; Wolney e Cardoso; Ferreira, Moreira, Carlos, Édson Galba e Prego.
Aos campeões foram conferidas medalhas de ouro; aos vice-campeões, medalhas de prata.
Segundo parecer dos técnicos que assistiram a todos os jogos do Torneio Início, o meia-esquerda Nilo, do Rabello, foi a melhor expressão individual e técnica da competição.

segunda-feira, 6 de março de 2017

O TORNEIO “DANTON JOBIM”




Nos dias 3, 10 e 17 de julho de 1960 foi realizada a primeira fase do Troféu Danton Jobim, em homenagem ao DC-Brasília e aos jornalistas brasileiros e que contou com a participação de 12 equipes, divididas de forma igual por três grupos, dos quais apenas os primeiros colocados se classificavam para um triangular final.
O Rabello ficou na Chave B, junto com Enaco, Expansão e Nacional.
A estreia do Rabello aconteceu contra o Nacional. De comum acordo, os clubes anteciparam o jogo para a manhã do domingo, 3 de julho de 1960. Em seu próprio campo (Estádio Ernando Soares), o Rabello foi derrotado por 2 x 1.
Nota: Ernando Soares exercia o cargo de representante do clube junto à Federação Desportiva de Brasília.
Curiosamente, o jogo Rabello x Nacional foi dirigido por dois árbitros. No 1º tempo, o jogo foi arbitrado por Domingos Souza, na falta do escolhido, Antônio Carlos Weitzel, que foi mal informado sobre o horário da partida. Na segunda fase, Domingos Souza não quis continuar na arbitragem, tendo sido substituído por Antônio Gomes. Ambos tiveram boa atuação.
O Rabello atuou com Veludo, Délio e José; Pernambuco, Capixaba e Remo; Caruaru, Matias, Baianinho, Tonho e Liliu. Veludo que havia defendido diversas agremiações de São Paulo e do Rio de Janeiro, recém-chegado do Canto do Rio, firmou compromisso com o Rabello. O zagueiro Délio estava jogando no Democrata, de Minas Gerais.
Pelo Nacional jogaram Olegário, Pintor, Coelho e José Silva; João Silva e Lourinho; Dorinho, Titôneo, Negrinho, Negrão e Papini.
O gol do Rabello foi assinalado por Matias, enquanto Negrinho e Titôneo marcaram para o Nacional.

RABELLO 3 x 2 EXPANSÃO

A segunda rodada do torneio foi realizada no dia 10 de julho de 1960, no Estádio Ernando Soares, do Rabello. Às 13:30 horas jogaram ENACO x Nacional e às 15:30 horas foi a vez de Rabello x Expansão E. C.
Veludo, Leocádio e Délio; Pernambuco, Capixaba e Rômulo; Antônio, Matias, Baianinho, Nilo e Caruaru (Clemente) foi o quadro do Rabello que venceu pela contagem de 3 x 2. O Expansão alinhou Barbosa, Augustinho e Dimas; Dalton, Elísio e Sérgio; Wolney, Neri, Doca, Heleno e Chagas.
O jogo foi bem disputado e com igualdade de produção das duas equipes. O Rabello levou a melhor, depois de decorrido o jogo em grande parte empatado. Um pênalti cobrado por Nilo, para o Rabello, aos 21 minutos do 1º tempo, foi atirado na trave superior, perdendo-se pelos fundos.
O Expansão abriu a contagem aos 32 minutos do 1º tempo por intermédio de Wolney. Aos 38, Nilo assinalou o tento de empate debaixo de um foguetório entusiasmado da torcida do Rabello. Logo aos dois minutos do 2º tempo, Matias desempatou a partida em favor do Rabello. Aos 20, o Expansão tornou a marcar, assinalando novo empate por intermédio de Neri, cobrando uma penalidade máxima. Mas, aos 30 minutos, o ponteiro Antônio marcou o terceiro gol do Rabello e último da tarde, assegurando a vitória.
Dirigiu o jogo o árbitro da Liga Uberabense de Futebol, naquele momento radicado em Brasília, Antônio Carlos Weitzel.

TERCEIRO E ÚLTIMO JOGO

O Rabello encerrou sua participação no Torneio “Danton Jobim” no dia 17 de julho de 1960, surpreendendo a forte equipe da ENACO, vencendo-a por 4 x 3. Os gols foram marcados por Antônio, Liliu, Zequinha e Nilo, para o Rabello, e Lazinho (2) e Carioca para a ENACO.
Formou o Rabello com Veludo, Leocádio e Pernambuquinho; Titonho, Capixaba e Remo; Antônio, Liliu, Baianinho (Zequinha), Nilo e Caruaru. A ENACO atuou com Betinho, Pacaterra e Tatão; Mossoró, Irques e Oton; Valnor, Lazinho, Carlos, Zeca e Carioca.
Foi árbitro do encontro Celso Santos, com magnífica atuação. Demonstrou mais uma vez ser o melhor árbitro do Torneio “Danton Jobim”.
Rabello e ENACO terminaram empatados na primeira colocação, ambas com quatro pontos ganhos. O critério de desempate foi o de saldo de gols, quando o ENACO ficou com três gols e o Rabello apenas um.

quinta-feira, 2 de março de 2017

OS PRIMEIROS JOGADORES INSCRITOS


No Boletim Oficial nº 8, de 31 de agosto de 1960, da Federação Desportiva de Brasília, constavam como aptos a disputar as competições oficiais os seguintes atletas do Rabello Futebol Clube:

REGISTRO
NOME COMPLETO
APELIDO
121
Nilo Domingos da Paz
Nilo
122
Antônio Alves Moreira
Antônio
123
José Pires

126
Délio Bernardino de Melo
Délio
127
José Fidélis Mappa
Fidélis
128
Antônio Serafim da Silva
Raspinha
129
José Duarte Vieira
Duarte
130
Manoel Alves de Oliveira
Nozinho
131
Antônio Bento dos Santos

132
José Bernardino Alves

133
Alberto Martins Pereira
Alberto
134
Remivaldo Carlos dos Santos
Calado
135
José Nogueira de Souza
Gaguinho
136
Edson Mourão Belo

137
Edson Timo Pereira

138
Ailton de Almeida Pinto
Motorzinho
139
Geraldo Adriano de Jesus
Geraldo
140
Djalma Sérgio
Djalma
141
Alino Alves da Silva

180
Leocádio Henrique
Leocádio
227
Paulo Roberto Freza
Paulo

Posteriormente, outros jogadores foram registrados, tais como:

REGISTRO
NOME COMPLETO
APELIDO
333
Orsino Alves da Costa

334
José Clemente da Silva
Pernambuquinho
479
José da Silva Laranjeira
Laranjeira
José Carlos Ferreira
Zé Carlos
Alaor Colete da Silva
Alaor